segunda-feira, 26 de novembro de 2012

PEIXE GRANDE E SUAS HISTÓRIAS MARAVILHOSAS
Peixe Grande




PEIXE GRANDE / BIG FISH

Produção: EUA / 2003

Direção: Tim Burton

Elenco: Ewan McGregor / Albert Finney / Jessica Lange

Duração: 125 min.

Sinopse: Durante toda sua vida, Edward Bloom tem sido um homem de grandes sonhos, paixões e histórias inesquecíveis. Em seus últimos anos de vida ele continua sendo um grande mistério para seu filho William. Agora, na tentativa de conhecer seu pai de verdade, Will começa a juntar as peças para montar uma ideia real de seu pai através de flashbacks de suas histórias maravilhosas.

 

          Após assistir ao filme de Tim Burton, li o livro que o originou: Peixe Grande de Daniel Wallace, publicado nos EUA em 1998. No livro o personagem interpretado por Finney nos delicia com passagens suprimidas na adaptação cinematográfica. Cito uma delas:

          “_ Acredito em quê?_ ele me pergunta, fitando-me com aqueles olhos, aqueles olhinhos azuis, acuando-me. Então eu digo.

          _ No Céu _ digo.

          _ Se acredito no Céu?

          _ E em Deus, e tudo o mais _ digo por que não sei. Não sei se ele acredita em Deus, ou na vida após a morte ou na possibilidade de todos nós voltarmos como outra pessoa ou outra coisa. Também não sei se ele acredita no Inferno, ou em Anjos, ou nos Campos Elíseos ou no Monstro do Lago Ness. Nunca conversamos sobre esses assuntos quando ele estava bom. (...)

          _ Que pergunta _ ele diz, com uma voz forte. _ Não sei se posso dizer que acredito ou que não acredito. Mas isso me faz lembrar, e me interrompa se já tiver contado antes, do dia em que Jesus estava guardando os portões para São Pedro. Bem, Jesus está dando uma mãozinha para ele quando um homem vem arrastando os pés pelo caminho do Céu.

          “O que foi que você fez para entrar no Reino do Céu?” Jesus pergunta a ele.

          E o homem diz: “Bem, não muito na verdade. Sou apenas um pobre carpinteiro que levou uma vida sossegada. A única coisa notável de minha vida foi meu filho.”

          “Seu filho?” Jesus diz interessando-se.

          “Sim, ele foi um filho incrível,” o homem diz. “Teve um nascimento inteiramente fora do comum e mais tarde sofreu uma grande transformação. Também se tornou muito conhecido em todo mundo e é amado por muitos até hoje.”

          Cristo olha para o homem, dá um abraço apertado nele e diz: “Pai, Pai!”

          E o velho o abraça de volta e diz: “Pinóquio?”

          Ele chia, eu sorrio, sacudindo a cabeça. (Peixe Grande, de Daniel Wallace, Ed. Rocco, pág.77/78, 2008).

          O traço pessoal de Burton permanece, quase dez anos depois, como um show de imagens que valorizam e até mesmo complementam o romance de Wallace. Para alguns críticos, o filme supera o livro. Não vamos entrar em um sistema comparativo, mas isto sim procurar mergulhar na história que é, na chamada literária, uma fábula do amor entre pai e filho.

          O pai é a fantasia e o emocional acima de todas as coisas, o filho é o caráter pragmático, lógico e real sobre tudo que o cerca. Em um mundo tão distante e ao mesmo tempo tão próximo, como podemos concluir ao término do filme, a relação entre pai e filho que floresce deste antagonismo é traumática e conflituosa, principalmente para Will, que, prestes a se tornar pai pela primeira vez, sente uma necessidade ainda maior de saber quem de fato é e foi seu pai.

          Conversando com sua nora, Edward diz que o filho “é capaz de contar uma história com todos os fatos, mas sem sabor.” Edward é na verdade, um grande “contador de histórias” e seu personagem me reporta à celebre cena de O homem que matou o facínora, de John Ford, onde um jornalista inescrupuloso(?) diz: “Quando a lenda se torna mais importante que o fato, publique-se a lenda.”

          Ao longo do tempo e da história, foi justamente este caráter inusitado e mítico o que sobrou dos “grandes fatos e personagens históricos”. Na grande maioria das vezes, é esta interpretação fantasiosa que move nossa história, construindo nosso imaginário sobre uma realidade que de fato não nos pertence, pois nem ao menos ocorreu. Como disse Will, “ao contar a história do meu pai é impossível separar os fatos da ficção, o homem do mito”.

          Edward viveu em dois mundos: o real, com a mulher (esposa) que amava e o filho, e o da fantasia, aquele em que ele se deparou com uma série de personagens bizarros como o gigante inofensivo que amedrontava sua cidade, os personagens do circo como o proprietário que se transforma em lobisomem e que, ao mesmo tempo o remunera não com o material, mas sim com o espiritual, isto é, informações mensais sobre a amada de Edward e futura esposa, Sandra. A exploração de três anos de trabalho apenas para receber notícias da amada, longe de ser uma agressão, transforma-se em sublime e, porque não dizer bela manifestação de amor, tal como aquela cantada em verso e prosa pelos menestréis medievais no mítico amor cortês.

          Um aspecto fascinante na relação entre pai e filho é que, ao contrário do segundo, que cresceu e, mesmo ainda jovem encontrava-se velho em espírito, para continuar acompanhando as histórias de seu pai, este permaneceu um eterno menino, quando criança Will mantinha com o pai uma sintonia de paridade para com seus sentimentos, mas, ao crescer, o pai não o acompanhou, por assim dizer, permanecendo como sempre foi, contando as mesmas fantasiosas histórias da infância. Fantasias que, ao serem montadas por Will, se apresentam muito mais verossímeis do que se poderia imaginar.

          O personagem de Edward é fascinante, emocionante e cativante, ao contrário de Will, que com sua constante busca pela lógica e verdade dos fatos acaba, isto sim, se distanciando ainda mais da beleza da vida, tão bem encarnada por seu pai. Ao impregnar de romantismo seus atos e atitudes, como quando da coragem em enfrentar o gigante desconhecido e até então ameaçador (como o Davi e Golias bíblicos) ou quando se preocupa em reconstruir sem benefício próprio a cidade de Espectrum, Edward leva o filho gradativamente a conhecê-lo melhor, e aqui suas histórias maravilhosas nos fornecem interpretações onde tudo aquilo que foi narrado e mostrado é de fato real, ou onde o que menos importa são os fatos em si, mas sim como os interpretamos e vivenciamos em nossas vidas. Ao contrário do filho, que se apresenta frágil, cansado e enfadonho antes mesmo de se tornar pai, Edward mesmo moribundo é a vitalidade em pessoa.

          Somente no leito de morte do pai, Will irá de fato conhecê-lo e, neste sentido interagir plenamente com o pai, como fazia quando era criança. Nesta cena, o filho entra no mundo mítico do pai e imagina (algo até então impensável em seu mundo material) como seria a morte do pai, onde este é levado no colo por ele até um rio, onde todos aqueles que o acompanharam ao longo de toda a vida estão presentes e, após uma rápida despedida, ao entrar em contato com a água transforma-se no enorme e maravilhoso Peixe Grande do feliz título. É nesta morte imaginada e narrada pelo filho em que temos não apenas o passamento de Edward, mas o nascimento de um homem que, como uma criança, se redescobre: após narrar e vivenciar a morte do pai, Will continua a transmitir oralmente ao seu filho as histórias do pai e, por sua vez, seu filho ainda garoto já as transmite aos colegas.

O filme abarca assim a importância do relato oral em sociedades capitalistas que estão ignorando a enorme importância da história de vida de pessoas e grupos sociais. A emoção em se saber contar bem uma história não pode nunca ser suprimida ou relegada a segundo plano. A forte carga emocional na narrativa tanto literária como cinematográfica de Peixe Grande nos mostra que as novas tecnologias e a forte presença das redes sociais podem caracterizar um distanciamento ainda maior nas relações interpessoais. A arte de bem contar uma história, apropriar-se de uma identidade cultural rica através da transmissão oral do conhecimento de geração a geração continuam sendo importantes armas na luta contra a alienação que impera em muitos círculos sociais e mediáticos.

Como finaliza Will em sua narrativa: “Um homem conta tantas vezes sua história, que se torna uma. Elas vivem após sua morte. E desse modo, ele se torna imortal”.

Belo filme de Burton!